.Julho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31

.posts recentes

. Finalmente as férias e um...

. Vida e história de Jean-J...

. James Watt, por João Paul...

. A Conservação da Massa e ...

. René Descartes, por Ana P...

. A Passarola de Bartolomeu...

. Os Lolardos, por Rebeca B...

. A Revolução Francesa, por...

. As Guerras Religiosas do ...

. A Reforma Protestante e o...

.arquivos

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

.links

Um espaço para a História da Escola Secundária Aurélia de Sousa - Porto

.favorito

. E o homem com livros cont...

Quarta-feira, 5 de Abril de 2006

Ficha de Leitura: «As Doenças têm História», Jacques Le Goff, de Francisca Ferreira, 10ºG



Livro: Les Maladies ont une Historie” , em português “ As doenças têm História;


Autor: Goff, Le Jacques


Editora: Terramar, 1985


 


A doença pertence à história, em primeiro lugar porque não é mais do que uma ideia, um certo abstracto numa “ complexa realidade empírica e porque as doenças são mortais. Onde estão as febres terças e quartãs dos nossos antepassados? A doença pertence não só à história superficial dos progressos científicos e tecnológicos como também á história profunda dos saberes e das práticas ligadas ás estruturas sociais, ás instituições, às representações, ás mentalidades. Desde a idade média, o jogo da doença e da saúde, “joga-se cada vez menos em casa do doente e cada vez mais no palácio da doença, o hospital.


Optei por analisar o capítulo 2 no ponto: “QUE A PESTE SEJA DO RATO”, pela curiosidade despertada nas aulas sobre a doença.


Repentinamente em 1348, uma terrível epidemia, a peste negra abateu-se sobre o Oriente. Trazida pelos marinheiros genoveses que haviam entrado em luta com os Tártaros, nas feitorias de Crimeia, esta doença foi a mais grave epidemia de que há memória.


Propagou-se por toda a Europa, França, Península Ibérica, Inglaterra, Alemanha, Escandinávia, numa mancha quase circular.


Culpa-se o rato negro (mus rattus) pela transmissão da peste, através da picada deste para o Homem.


A peste tinha um carácter bubónico, fazendo nascer tumefacções nas virilhas, axilas e no pescoço. Alem disso era pulmonar, propagando-se pelo ar respirável, o que a tornava altamente contagiosa e fatal levando á morte em dois, três dias, chegando a fazer famílias a abandonar os parentes infectados pela doença, á sua sorte. Nenhuma outra doença levou a semelhantes loucuras, tudo era justificado pelo pânico de todos a esta doença terrível.


Hoje espantamo-nos, com tamanha ingenuidade dos físicos na altura, mas falamos de medicina primitiva, medicina esta baseada na falta de higiene…


Uma doença que levou populações inteiras á morte, que levou a alterações demográficas inacreditáveis. Mais que uma doença, ficou para a História um período de terror, de desgraça, de sofrimento.


Concluo afirmando que é de facto necessária continuar a investir nas inovações da medicina cientifica… Para evitar que se espalhe por ai a peste do século XXI, peste esta conhecido pelo nome de Cancro ou de Sida.



Francisca Ferreira

publicado por António Luís Catarino às 14:00
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.favorito

. E o homem com livros cont...

.links

.subscrever feeds