.Julho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31

.posts recentes

. Finalmente as férias e um...

. Vida e história de Jean-J...

. James Watt, por João Paul...

. A Conservação da Massa e ...

. René Descartes, por Ana P...

. A Passarola de Bartolomeu...

. Os Lolardos, por Rebeca B...

. A Revolução Francesa, por...

. As Guerras Religiosas do ...

. A Reforma Protestante e o...

.arquivos

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

.links

Um espaço para a História da Escola Secundária Aurélia de Sousa - Porto

.favorito

. E o homem com livros cont...

Quinta-feira, 27 de Outubro de 2005

A DESCENDÊNCIA DE ZEUS, de Diana Alves, 10ºG.

zeus.jpg

Zeus, pai dos deuses e dos homens, impõe-se aos seus congéneres por ser mais forte do que o conjunto destes. Zeus tinha tomado o poder ao seu pai, Cronos, que por sua vez tinha destronado o próprio pai, Urano, o céu. Mas Zeus tinha irmãos e irmãs e faz alianças com estas: desposa Hera e dá a Deméter uma filha, Perséfone. Com os seus irmãos estabelece, por sorteio, uma partilha do mundo – consegue o céu, de onde exerce o seu domínio; Hades recebe os infernos, o reino dos mortos; e Poseídon, o universo das águas, dos tios e dos mares.
A geração seguinte é a dos filhos de Zeus e Leto: Apolo, profeta inspirado e mestre da palavra exacta; Artémis, virgem e caçadora; Atena, a preferida de Zeus que nasceu já armada na sua cabeça e votada, tal como Artémis, à castidade absoluta. Com Hera, Zeus teve ainda Hefestos, mestre do fogo e dos vulcões, esposo de Afrodite, que submete todos os seres ao amor, e Ares, deus da violência e da guerra, que também forma um par com Afrodite. Por entre os bastardos de Zeus é preciso mencionar Hermes, o deus dos mercadores, dos ladrões, mensageiro e condutor das almas dos mortos e Dionísio, deus do vinho, da fecundidade e do teatro. O culto que os gregos prestam aos deuses inscreve-se num sistema onde o sagrado é omnipresente, sem se distinguir verdadeiramente do profano.
publicado por António Luís Catarino às 17:50
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Anónimo a 4 de Novembro de 2005 às 21:22
Olha a Ana Campos! Agradeço a tua participação e cá estaremos à espera do teu artigo no ESAShistória. Força!António Luís Catarino
</a>
(mailto:skamiaken@sapo.pt)
De Anónimo a 4 de Novembro de 2005 às 16:11
ola diana!muito bem!Zeus deve estar no Olimpo a dançar,aos saltinhos de orgulho!ja tenho umas ideias para o meu artigo!obrigada!continua o maximo! ana campos
</a>
(mailto:ana_gui_9@hotmail.com)
De Anónimo a 29 de Outubro de 2005 às 19:01
obrigada pelo comentario acrescento agora a bibliografia que me esqueci peço desculpa.
encontrei este documento na enciclopedia Laroussediana alves
</a>
(mailto:pandoritta_8@hotmail.com)
De Anónimo a 27 de Outubro de 2005 às 17:54
Diana: bem-vinda ao ESAShistória e que esta colaboração se repita por muito mais vezes. Não te esqueças é de indicar a bibliografia. Continua e cá espero os artigos do 10ºG.António Luís Catarino
</a>
(mailto:skamiaken@sapo.pt)

Comentar post