.Julho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31

.posts recentes

. Finalmente as férias e um...

. Vida e história de Jean-J...

. James Watt, por João Paul...

. A Conservação da Massa e ...

. René Descartes, por Ana P...

. A Passarola de Bartolomeu...

. Os Lolardos, por Rebeca B...

. A Revolução Francesa, por...

. As Guerras Religiosas do ...

. A Reforma Protestante e o...

.arquivos

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

.links

Um espaço para a História da Escola Secundária Aurélia de Sousa - Porto

.favorito

. E o homem com livros cont...

Segunda-feira, 13 de Março de 2006

FICHA DE LEITURA: «AS TRÊS ORDENS, OU O IMAGINÁRIO DO FEUDALISMO de Georges Duby», por Rebeca Bonjour, 10ºG

3ordens.jpg

AUTOR: Duby, Georges
NOME: As três Ordens, ou o Imaginário do Feudalismo
Editorial Estampa, 1982, 383 páginas

Síntese do capítulo “As Três Ordens”:
Este capítulo explica a repartição feita das ordens sociais na idade medieval, feita por um escriba desta época, para a ensinar à corte. Assim, à medida que o autor nos mostra esta visão das ordens, compara-a a uma visão anterior, feita por outro autor.
Esta nova visão reparte a sociedade em três ordens: os cavaleiros, os clérigos e os vilões; e mostra a importância de cada uma delas. Assim, os cavaleiros tinham como função manter a justiça e a protecção, arriscando a sua vida pelas outras classes. Como tal, tinham como privilégio a posse do poder, sendo bastante gananciosos. Os clérigos rezavam constantemente, e gozavam uma certa prosperidade, estando no entanto restritos a todos os prazeres; e os vilões eram a classe dos trabalhadores, que sofriam constantemente de fome, de dor e do peso do trabalho. Para eles a única recompensa que existia era saberem-se úteis, e importantes para as restantes classes.
Apesar de o modo de vida e as recompensas entre eles serem muito diferentes, acreditavam que cada qual receberia o seu mérito no “Juízo Final”, e mesmo reconhecendo que a vida de uns era mais privilegiada que outros, reconheciam a igual importância de todas as ordens para o bom funcionamento da sociedade.
O rei, apesar de se identificar mais com os cavaleiros, não era considerado parte de nenhuma das ordens. A ele competia vigiar a sociedade, e fazer cumprir os deveres e serem justamente atribuídas as recompensas. Verificava portanto, o funcionamento de toda a sua sociedade, podendo apenas ser aconselhado pelos cavaleiros ou clérigos.
Quanto aos burgueses, que começam a subir economicamente e a querer adquirir poder nesta época, são vistos de forma negativa e repulsiva, em parte por quererem quebrar a divisão das ordens, ou apenas porque –relembro- esta visão se destinava às gentes da corte.
Uma anterior repartição, dá apenas importância às classes religiosas, dividindo os clérigos em três ordens diferentes. A nova visão, que acabo de explicar, mantém assim a repartição tripartida, sendo desta vez o poder social e o ofício o principal divisor.

Rebeca Bonjour 10ºG Nº16
publicado por António Luís Catarino às 19:05
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Anónimo a 13 de Março de 2006 às 19:47
Rebeca: bem-vinda ao mundo do blogue de História! Já cá faltava a Rebeca e as suas opiniões muito calmas e ajuízadas. Gostei muito do critério que utilizaste na elaboração da ficha de leitura. Gostei e recomendo vivamente aos alunos que olhem para aqui! Continua e, mais uma vez, parabéns!António Luís Catarino
</a>
(mailto:skamiaken@sapo.pt)
De Rebeca a 18 de Março de 2006 às 12:09
Entao obrigada! Ainda vou ler outro capítulo antes de lhe devolver o livro...E quanto ao nosso blogue...Está de parabéns pela vitória...! e com um novo "look" e tudo!..Está mais giro assim...=)

Comentar post