.Julho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31

.posts recentes

. Finalmente as férias e um...

. Vida e história de Jean-J...

. James Watt, por João Paul...

. A Conservação da Massa e ...

. René Descartes, por Ana P...

. A Passarola de Bartolomeu...

. Os Lolardos, por Rebeca B...

. A Revolução Francesa, por...

. As Guerras Religiosas do ...

. A Reforma Protestante e o...

.arquivos

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

.links

Um espaço para a História da Escola Secundária Aurélia de Sousa - Porto

.favorito

. E o homem com livros cont...

Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2006

A CRIAÇÃO DA DEMOCRACIA EM ATENAS, por Inês Pinto, 10ºG

atenas.jpg

No séc.VIII a.C., numa pequena província da Grécia, uma minúscula cidade começou a afirmar-se no mundo, principalmente devido à sua participação no domínio da cerâmica. Depressa essa cidade viria a tornar-se Atenas, o berço de conhecidas personagens, tais como Homero, Péricles e Sócrates.

Nessa província, de nome Ática, e do mesmo tamanho que ¼ da Bélgica, vivia um povo de modestos camponeses, que cultivavam a oliveira e a vinha e faziam criação de ovelhas e cabras. As poucas famílias aristocráticas exerciam naquela terra um regime oligárquico: eram as famílias ricas que detinham o poder e eram proprietárias das terras. Como acontece a maioria das vezes na História, o povo revoltou-se contra tal forma de poder, iniciando um longo caminho de revoltas e instabilidade.

Drácon, em 621 a.C., tentou pôr fim aos tumultos impondo o primeiro conjunto de leis escritas da história da Grécia, e tinham de ser cegamente obedecidas. Contudo, estas represálias só contribuíram para aumentar o rancor do povo à oligarquia. Sólon, em 594 a.C., tentou o que Drácon não conseguira, com mais um conjunto de reformas (entre as quais, dividiu o povo em quatro classes, dividindo entre elas os cargos militares), impondo, ao mesmo tempo, a tirania. Pisístrato substituiu-o entre 561 e 528 a.C. mas, apesar de e encorajando a implantação todo o seu talento em lisonjear o povo (construindo monumentos de elevado prestígio, desenvolvendo a cerâmica das etnias) não consegue parar o vendaval de revoltas populares. Por fim, Clístenes, membro de uma das grandes famílias aristocráticas da zona, conquistou o poder e instaurou a democracia – uma forma de governo novo em que o poder estava dividido entre todos os cidadãos homens, ricos ou pobres.

http://www.fotonostra.com/albums/europa/fotos/atenas.jpg

Inês Filipa Teixeira Pinto 10ºG nº 8

Bibliografia:
“O tempo da História” 10º ano, 1ª Parte
COUTO, Célia Pinto do; ROSAS, Maria Antónia Monterroso
Porto Editora
publicado por António Luís Catarino às 21:53
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Anónimo a 19 de Janeiro de 2006 às 21:57
Cara Inês: como dizer que será muito difícil fazer melhor em capacidade de síntese, procura de qualidade de informação e sentido de divulgação da História? Muitos parabéns pela tua colaboração neste blogue. Continua.António Luís Catarino
</a>
(mailto:skamiaken@sapo.pt)

Comentar post