.Julho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31

.posts recentes

. Finalmente as férias e um...

. Vida e história de Jean-J...

. James Watt, por João Paul...

. A Conservação da Massa e ...

. René Descartes, por Ana P...

. A Passarola de Bartolomeu...

. Os Lolardos, por Rebeca B...

. A Revolução Francesa, por...

. As Guerras Religiosas do ...

. A Reforma Protestante e o...

.arquivos

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

.links

Um espaço para a História da Escola Secundária Aurélia de Sousa - Porto

.favorito

. E o homem com livros cont...

Segunda-feira, 5 de Junho de 2006

D. António Manuel de Vilhena, Grão-Mestre da Ordem de Malta (1663-1736), de Filipe Vales, 8ºC

Para variar um pouco e não estar sempre a martelar na mesma matéria de História, decidi escrever sobre alguém que viveu na época que estamos a estudar, que marcou a sua época, que é famoso em toda a Europeu, que é português, mas nunca é mencionado nos nossos livros nem é conhecido entre os seus.

António Manoel (no original) de Vilhena nasceu em Lisboa em data desconhecida de 1663, filho terceiro de um dos mais destacados heróis da Restauração: D. Sancho Manuel, 1º Conde de Vila Flor, notável nas batalhas da linha de Elvas e do Ameixial.

Perante a ausência de herança por lei de morgadio, ingressou cedo para a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários de S. João de Jerusalém (ou de Malta, como depois se viera a chamar por se ter ido fixar na ilha de Malta). Na altura, esta Ordem possuía um papel extremamente relevante na defesa dos ataques muçulmanos à costa sul europeia devido à sua fabulosa posição geográfica, pelo que a sua instituição era muito tida em conta no contexto político europeu, tendo já, por inúmeras vezes, ajudado frotas europeias em casos de problemas militares ou na participação em ataques a cidades mouras ou suas frotas. A Ordem funcionava, assim, com base no poderio marítimo visto se ter fixado numa ilha.

Ainda novo, e seguindo a tradição militar da família, partiu para a ilha de Malta, onde iniciou a sua carreira comandando uma galé da frota maltesa. Nos primeiros anos, pouco se destacou, acabando mesmo por ser ferido. Contudo, em 1687, participa na campanha para a conquista do Peloponeso aos Otomanos, onde o seu valor sobressaiu de tal forma que foi nomeado Comissário do Armamento e das Guerras da Ordem. Dois anos depois é nomeado chanceler da Ordem e chefe da língua (conjunto de cavaleiros de uma região) de Castela e Portugal. Foi ainda Vedor do Tesouro e Governador de S. João do Acre.

Em 1722, D. António de Vilhena é nomeado por unanimidade do Conselho da Ordem de Malta o seu 66º Grão-Mestre. A partir daí inicia-se a segunda parte de uma carreira brilhante.

Não tardou que o Grão-Vizir de Constantinopla, aproveitando uma revolta de prisioneiros na ilha, tentasse invadir a pequena ilha. Contudo, o génio de D. António mostrou as suas aguçadas capacidades militares e diplomáticas, através das quais não só conseguiu repelir o ataque, como forçou o Grão-Vizir a uma acordo vantajoso e reprimiu a revolta dos prisioneiros.

Estes e outros sucessos valeram-lhe a conquista do respeito de todos os seus contemporâneos, ficando amigo pessoal de Luís XVI e tendo recebido a mais alta distinção da Santa Sé: o estoque e o casco bentos.

Dentro da Ordem, iniciou um movimento de reestruturação e dinamização: aumenta a frota maltesa em cerca de 300 embarcações, passando estas a 1100 e manda erigir o Forte Manoel à entrada do porto de Marra Musset, que o fez conectar como uma enorme ponte ao seu homónimo do outro lado da entrada do porto, possibilitando uma melhor defesa e movimento da artilharia e infantaria. Noutro contexto, cria um novo bairro na cidade de La Valleta (Bairro Manoel), um enorme teatro no centro da cidade (Teatro Manoel), o segundo mais antigo da Europa ainda activo, cria inúmeros hospitais de inválidos e hospícios e, por fim, manda edificar um brilhante palácio, sua residência, no alto da colina maltesa, o Palácio Vilhena, defronte foi construída uma estátua em sua memória.

Durante o seu grão-mestrado, a frota maltesa manteve-se muito activa, recolhendo inúmeras riquezas dos seus saques e ataques a frotas muçulmanos, tendo mesmo bombardeado, sob ordem de D. António, a poderosa cidade de Tripoli, sua rival, reduzindo-a a escombros.

D. António de Vilhena morre em La Valleta a 10 de Dezembro de 1736, ficando recordado para sempre na memória dos malteses como um dos mais brilhantes e esclarecidos grão-mestres da Ordem de Malta.

publicado por António Luís Catarino às 19:40
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De António Luís Catarino a 5 de Junho de 2006 às 20:01
Grande Filipe! Tenho o maior gosto em editar-te num blog que também é teu e a que estás intimamente ligado. D. António Manuel de Vilhena merece ser estudado e é pena que o papel da «sua» Ordem também tenha sido esquecida nos programas escolares da disciplina de História. O que vale, o que vale sempre, é que haverá sempre alunos que acrescentam tempo e factos à História que tem sido extremamente maltratada nos programas. Parabéns, Filipe.

Comentar post

.favorito

. E o homem com livros cont...

.links

.subscrever feeds