.Julho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31

.posts recentes

. Finalmente as férias e um...

. Vida e história de Jean-J...

. James Watt, por João Paul...

. A Conservação da Massa e ...

. René Descartes, por Ana P...

. A Passarola de Bartolomeu...

. Os Lolardos, por Rebeca B...

. A Revolução Francesa, por...

. As Guerras Religiosas do ...

. A Reforma Protestante e o...

.arquivos

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

.links

Um espaço para a História da Escola Secundária Aurélia de Sousa - Porto

.favorito

. E o homem com livros cont...

Segunda-feira, 5 de Junho de 2006

James Watt (1736-1819), de Maria João Gonçalves, 8ºC

Engenheiro, mecânico e inventor nascido em Greenock Scotland, inventorda moderna máquina a vapor, que possibilitou a revolução industrial.

Aos 19 anos foi para Londres fazer aprendizado de mecânico especializado na construção de instrumentos. Por problemas de saúde teve que voltar para Glasgow (1756) sem conseguir o certificado do curso.

Porém consegui ser escolhido e foi contratado como aprendiz de mecânico para o serviço de manutenção de instrumentos científicos da Universidade de Glasgow (1757), onde conheceu Joseph Black.

Ao receber para conserto (1763) uma máquina a vapor do tipo Newcomen, a mais avançada de então, observou que a perda de grandes quantidades de calor era o defeito mais grave da máquina, e, a partir dos estudos teóricos sobre o calor, de Black, idealizou então o condensador, seu primeiro grande invento (1764), dispositivo que seria mantido separado do cilindro mas conectado a ele.

No condensador a temperatura do calor seria mantida baixa (cerca de 37º C), enquanto que no cilindro permaneceria elevada. Procurou, assi m, alcançar o máximo de vácuo no condensador.

Fechou o cilindro, que antes permanecia aberto, eliminou totalmente o ar e assim criou uma verdadeira máquina a vapor.

Obteve a primeira patente do invento e de vários aperfeiçoamentos por ele próprio concebidos (1769).

Endividado associou-se a John Roebuck, que o ajudou financeiramente. Aperfeiçoou, então, a máquina a vapor construída por Newcomen, introduzindo o condensador separado para motores a vapor (1775), revolucionando este tipo de máquina, tornando-a economicamente viável e deflagrando a Revolução Industrial.

Após inventar o motor rotativo de acção dupla, o industrial Matthew Boulton, dono de uma firma de engenharia, comprou a parte de Roebuck e começou a construir as máquinas a vapor projectadas por ele (1785), e que se tornaram universalmente empregadas, a partir de então.

 

Também criou diversos dispositivos tais como o regulador de força centrífuga e o mecanismo de comando da gaveta de distribuição de vapor, o volante e o indicador de Watt. Em 1790, como já havia ganho bastante dinheiro, resolveu aposentar-se e voltar para Birmingham.

Watt, no Sistema Internacional, é a unidade de medida de potência igual a potência de uma fonte capaz de fornecer, contínua e uniformemente, um joule por segundo.

publicado por António Luís Catarino às 19:17
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De António Luís Catarino a 5 de Junho de 2006 às 20:06
Maria João: parabéns pelo teu trabalho sobre James Watt. Estou firmemente convencido que foi ele o responsável pela nossa mobilidade actual. Grandes máquinas que se inventaram no século XVIII! Quanto às outras que me mandaste, e que não digo aqui no blogue, vou colocá-las aos bocadinhos para «renderem» mais. Assim, os teus colegas vão conhecendo mais inventos fantásticos desta altura, para além do fabuloso Citroen 2CV mas, como sabes, esse foi inventado no século XX!

Comentar post

.favorito

. E o homem com livros cont...

.links

.subscrever feeds