.Julho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31

.posts recentes

. Finalmente as férias e um...

. Vida e história de Jean-J...

. James Watt, por João Paul...

. A Conservação da Massa e ...

. René Descartes, por Ana P...

. A Passarola de Bartolomeu...

. Os Lolardos, por Rebeca B...

. A Revolução Francesa, por...

. As Guerras Religiosas do ...

. A Reforma Protestante e o...

.arquivos

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

.links

Um espaço para a História da Escola Secundária Aurélia de Sousa - Porto

.favorito

. E o homem com livros cont...

Quinta-feira, 29 de Dezembro de 2005

LEONARDO DA VINCI, Maria João Fernandes, nº 19, 8ºA

leonardo.jpg

Leonardo da Vinci foi um dos mais notáveis pintores do renascimento mas foi também um génio da anatomia, engenharia, matemática, música, arquitectura e escultura.
Leonardo da Vinci nasceu a 15 de Abril de 1452, não se sabe ao certo o seu lugar de nascimento pois alguns historiadores pensam que ele terá nascido numa casa de Anchiano enquanto outros consideram o seu lugar de nascença a própria localidade de Vinci, situada na margem direita do rio Arno, perto dos Montes Albanos entre Florença e Pisa. Leonardo da Vinci era filho legítimo do florentino Ser Piero e de uma camponesa, sendo criado pelo pai, quando finalmente revelou vocação para a pintura e para o desenho, empregou-se como aprendiz do escultor e pintor Andrea del Verrochio, por volta de 1467, trabalhando com este até 1477 passando os próximos quatro anos sozinho, ou seja estabeleceu-se assim por conta própria, inventando nos próximos cinco anos um sistema de irrigação para levar a água para as planícies da Lombardia.

Em 1480 começou a pintar “São Jerónimo” o qual deixou inacabado.Em 1481 foi para Milão, trabalhou para a corte de Ludovico Sforza, onde desenvolveu vários projectos de engenharia militar, realizou estudos hidráulicos, organizou competições, representações e torneios, para muitos dos quais desenhou cenários e figurinos. Durante este período trabalhou também na “Adoração dos Magos” encomendada pelos monges de San Donato, em Scopeto, a qual também permaneceu inacabada.

Até 1506 Leonardo da Vinci trabalhou principalmente em Florença e, vários estudos indicam que foi nesta época que pintou o seu famoso quadro a Mona Lisa, tendo também iniciado a pintura do quadro “Leda”, apenas conhecido por intermédio de cópias, iniciou também a decoração da sala do conselho do Palazzo Vecchio, com Michelângelo, Leonardo pintou aqui a “Batalha de Anghiari” pintura que ficou inacabada.
Entre 1506 e 1516 viveu em Milão e Roma. Durante o período em que residiu em Milão foi conselheiro artístico do governador francês Charles d’Amboise. Em 1516 Leonardo após a sua ida a Roma voltou para Amboise a convite de Francisco I, que o nomeou primeiro-pintor, engenheiro e arquitecto do rei.
Leonardo da Vinci faleceu na França a 2 de Maio de 1519.
Pouco antes de morrer nomeou seu discípulo predilecto, Francisco Melzi, herdeiro de todos os valiosos estudos, desenhos e anotações que deixava, com a morte de Melzi cerca de cinquenta anos após a do seu mestre, muitos manuscritos se dispersaram
Em 1651 foi impressa a primeira edição do Trattato della Pittura, onde Leonardo defendia a forma de arte como indispensável à realização da exploração científica da natureza e aconselhava os pintores a não se limitarem à expressão estática do ser humano, as suas figuras humanas derivavam dos seus estudos de anatomia e as paisagens dos seus conhecimentos de botânica e geologia

Principais características das pinturas de Da Vinci:
Utilização da técnica artística da perspectiva, uso de cores próximas da realidade, figuras humanas perfeitas, temas religiosos, uso da matemática em cálculos artísticos, imagens principais centralizadas, paisagens de fundo, figuras humanas com expressões de sentimento, detalhes artísticas

Principais trabalhos de Da Vinci:

Trabalhos de pintura: Gioconda (Mona lisa), Leda, Dama do Arminho, Madonna Litta, Anunciação, A Última ceia.

A Última Ceia é um dos quadros mais famosos do mundo que sofreu várias restaurações logo pouco resta do original. É inigualável a solidão de Cristo, em contraste com a agitação dos apóstolos divididos em grupos de três enquanto Judas, o traidor, é a única figura que se encontra isolada
Trabalhos de invenções: máquina voadora, máquina escavadora, isqueiro, para quedas, besta gigante sobre rodas.
Trabalhos científicos: homem vitruviano, anatomia do tronco, estudo de pé e perna, anatomia do olho, estuda da gravidez.
Projectos de arquitectura: projecto arquitectónico de uma cidade, projecto de um porto, templo centralizado.

CUROSIDADES
. Leonardo da Vinci é um nome fruto de uma alcunha por ter nascido na cidade italiana de Vinci.
. Leonardo da Vinci escreveu e desenhou sobre tudo. Realizou estudos em diversas áreas como geometria, anatomia, geologia, botânica, astronomia, óptica, mecânica, arquitectura, projectos bélicos.
. Leonardo da Vinci passava muitas das suas noites a dissecar cadáveres.
. Da Vinci estudou as condições de equilíbrio sobre um plano inclinado e enunciou o teorema do polígono de sustentação da balança.
. Baseou-se no voo dos pássaros para determinar os princípios da construção de um aparelho mais pesado do que o ar, capaz de voar com a ajuda do vento, aparelho este bastante parecido com o helicóptero.
heli leonardo.jpg
publicado por António Luís Catarino às 12:12
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 27 de Dezembro de 2005

O RENASCIMENTO, por Maria João Fernandes, 8ºA

boticeli.jpg
O Renascimento foi conhecido como o Renascimento cultural que ocorreu na Europa durante os séculos XIV, XV, XVI, este movimento procurava resgatar a cultura esquecida durante os tempos medievais. As principais características do Renascimento foram o Racionalismo, o Experimentalismo, o Individualismo e o Antropocentrismo. O Humanismo foi um processo de valorização da humanidade e da Natureza, o Homem passou a ser tratado como um ser racional e foi posto assim no centro do universo. As principais características do Humanismo são: a Racionalidade, a Dignidade do ser Humano, o Rigor científico, o Ideal humanista e a Reutilização das artes greco-romanas.
O Renascimento foi marcado por várias descobertas científicas na Astronomia, na física, na medicina, na matemática e na geografia. O Renascimento nasceu na Itália e difundiu-se por toda a Europa através da expansão marítima, foi importante pois foi a principal influencia dos pensadores do séc. XVII.
galileu2.jpg

Na arquitectura a ocupação do espaço baseava-se em relações matemáticas estabelecidas de tal forma que o observador possa compreender a lei de qualquer ponto em que se coloque. As principais características da arquitectura são: as ordens arquitectónicas, os arcos de volta-perfeita, a simplicidade na construção, a escultura e a pintura passam a ser autónomas e as construções de palácios, igrejas, vilas (casa de descanso fora da cidade), fortalezas (funções militares). O principal arquitecto renascentista foi Brunelleschi, este era um artista completo pois foi pintor, escultor e arquitecto. Dominava os conhecimentos matemáticos, geométricos e era um grande conhecedor da poesia de Dante. Os seus trabalhos mais importantes foram a cúpula da catedral de Florença e a Capela Pazzi.
fiorenza.jpg

A pintura renascentista tinha como principais características a Perspectiva (arte de figura no desenho ou na pintura, as diversas distâncias e proporções que têm entre si os objectos vistos à distância, segundo os princípios da matemática e da geometria), o uso do claro-escuro (pintar algumas áreas iluminadas e outras na sombra, este jogo de contraste reforça a sugestão de volume nos corpos), o Realismo (a vista do homem não como um simples observador da Natureza mas sim como a expressão mais grandiosa do próprio Deus), o início do uso da tela e da tinta a óleo e o surgimento de artistas com um estilo pessoal. Os principais pintores foram Botticelli, Leonardo Da Vinci, Michelângelo e Rafael.
Botticelli era um pintor cujos seus quadros foram escolhidos segundo a possibilidade que lhe proporcionavam expressar o seu ideal de beleza, a beleza estava associada ao ideal cristão. As figuras humanas de seus quadros são belas porque manifestam a graça divina. As suas principais obras são A Primavera e o Nascimento de Vénus.
Leonardo Da Vinci dominou o jogo de contraste gerador de uma atmosfera que parte da realidade mas estimula a imaginação do observador, foi possuidor de um espírito versátil que lhe permitiu trabalhar em diversos campos do conhecimento humano. As suas principais obras foram A Virgem dos Rochedos e a Monalisa.
Michelângelo trabalhou a pintura da Capela Sistina, no Vaticano. Ele concebeu e realizou grande número de cenas do Antigo Testamento. As suas principais obras são o Tecto da Capela Sistina e a Sagrada Família.
Rafael concebeu obras que comunicavam ao observador um sentimento de ordem e segurança pois os elementos que compunham os seus quadros eram dispostos em espaços amplos, claros e de acordo com uma simetria equilibrada. As suas principais obras foram a Escola de Atenas e Madona da Manhã.
A escultura renascentista tinha como principais características a representação do homem tal como ele é na realidade, a proporção da figura mantendo a sua relação com a realidade, a profundidade e perspectiva e o estudo do corpo e do carácter humano. Os principais escultores foram:
Michelângelo que dominava a escultura italiana do séc. XVI, algumas das suas obras foram Moisés, Davi e Pietá.
Andrea del Verrocchio trabalhou em ourivesaria e esse facto acabou por influenciar a sua escultura. A sua obra mais destacada foi David em bronze.
Maria João Fernandes nº 19 8ºA
publicado por António Luís Catarino às 22:26
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quarta-feira, 7 de Dezembro de 2005

DESCOBERTO CEMITÉRIO ROMANO, SIC Notícias. 7/12/2005

sic_cemiterio_romano_descoberto.jpg
Monumento subterrâneo do Século II d.C. em Roma

Um cemitério romano subterrâneo do Século II d.C. foi descoberto em Roma por arqueólogos italianos.

O monumento, que pertence a um período dourado da Roma Antiga, que tinha Marco Aurélio como imperador, possui cinco túmulos.
“Foi uma descoberta muito emocionante, diria até que é uma experiência única na vida”, disse um dos arqueólogos da equipa, Andrea Iannaccone.
“Os túmulos estão intactos e selados. No entanto, as condições não são excelentes, porque a terra desta zona é muito ácida e o mármore dos sarcófagos já está muito danificado”.

Apesar dos danos, os arqueólogos esperam que dentro dos túmulos, além dos restos mortais, ainda haja objectos pessoais.
Os arqueólogos começaram a trabalhar na zona há já alguns meses. Primeiramente, encontraram uma estrada danificada, um tanque de água e algumas sepulturas rasas.
Posteriormente, escavaram mais baixo e descobriram o túmulo de uma família.
Pela forma da primeira pedra encontrada, tudo indica tratar-se de um casal. Como a sepultura ao lado é pequena, pensa-se que terá pertencido a uma criança.
Os arqueólogos esperam descobrir mais túmulos, isto se conseguirem mais tempo e dinheiro para uma busca mais completa na zona.
publicado por António Luís Catarino às 13:14
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 6 de Dezembro de 2005

O RENASCIMENTO, Jorge Silva, 8ºA

renascimento1.jpg
Renascimento

Movimento cultural que se desenvolveu em países da Europa Central e Ocidental como a Itália (passando sucessivamente de Florença a Siena e depois a Roma, e alastrando posteriormente a toda a Península Italiana) nos séculos XIV a XVI e que veio a irradiar e a ter fundas repercussões na cultura de praticamente todos os países do continente europeu. As figuras de proa do movimento gostavam de se apresentar como críticos do "obscurantismo" medieval, numa atitude de contestação à tradicional influência da religião na cultura, no pensamento e na vida quotidiana ocidental. Esta atitude comportava a minimização de movimentos culturais que, desde o século XII, vinham contestando a religião e o papel cultural preponderante da Igreja, e que foram na realidade os precursores históricos do Renascimento italiano.
O factor social que tornou possível a eclosão e sobrevivência do movimento renascentista foi a ascensão de uma burguesia ligada à banca e aos grandes negócios internacionais, portadora de uma ideologia individualista e ansiosa por desfrutar da autoridade política que até então estivera concentrada exclusivamente nas mãos de nobres e eclesiásticos.
O movimento renascentista começa por ser uma contestação da ideologia dominante durante o milénio medieval: à civilização cristã contrapõe-se uma ideologia antropocêntrica, revelando um desiderato de fazer renascer a Antiguidade greco-latina, que, na interpretação então prevalecente, se caracterizara precisamente por colocar o homem no centro do Universo e representava um ideal de civilização natural. Estudam-se os clássicos com rigor e minúcia, com o apoio de uma filologia que conhece um desenvolvimento fulgurante, enquanto, pela mesma ordem de razões, revive e se intensifica o interesse pela história (em detrimento da crónica medieval), meio privilegiado de conhecimento do passado "áureo" que se pretende imitar ou reproduzir e surgem sérias iniciativas de investigação arqueológica (sem as quais, obviamente, teria sido impossível conhecer em detalhe a arte antiga, nas suas múltiplas manifestações).
O mesmo espírito crítico que se aplica ao conhecimento das literaturas clássicas e à história volta-se para as ciências, traduzindo-se num incremento do estudo das ciências exactas, como a astronomia e a matemática que lhe está intimamente ligada, das ciências da natureza e dos estudos experimentais. Concomitantemente, a aplicação prática das ciências permite fecundos desenvolvimentos da técnica.
Na arte produzem-se notáveis inovações. A pintura apresenta não apenas retratos (manifestação do gosto artístico da burguesia individualista em ascensão) como também paisagens, aparece o nu humano realista (que já não é a pintura simbólica de Adão e Eva que a Idade Média vira difundir-se largamente) e os temas da mitologia clássica convivem com os temas pictóricos inspirados pela religião cristã. Esta iconografia não se limita a tratar temas diferentes de um modo original; a figura dos seus autores ganha, simultaneamente, um estatuto social elevado, de grande prestígio, também ele caracterizado por uma postura individualista (são obras de autor, assinadas pelos criadores e já não produções anónimas ou colectivas de oficina). Tecnicamente, a pintura sofre igualmente uma evolução notória, pelo recurso à riqueza da policromia e pela introdução da perspectiva e da sensação de movimento, sempre na busca de uma mais perfeita aproximação à realidade. Igualmente a arquitectura se deixa influenciar pelos cânones greco-latinos, cujas formas e volumes são integrados nas novas construções (as colunas, por exemplo), tentando-se a criação de uma nova estética, onde tem lugar primacial a grandiosidade dos edifícios. As grandes obras arquitectónicas são acompanhadas por uma profusão de esculturas, onde se privilegia a figura humana, reproduzida de modo assumidamente realista.
publicado por António Luís Catarino às 19:56
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.favorito

. E o homem com livros cont...

.links

.subscrever feeds