.Julho 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31

.posts recentes

. Finalmente as férias e um...

. Vida e história de Jean-J...

. James Watt, por João Paul...

. A Conservação da Massa e ...

. René Descartes, por Ana P...

. A Passarola de Bartolomeu...

. Os Lolardos, por Rebeca B...

. A Revolução Francesa, por...

. As Guerras Religiosas do ...

. A Reforma Protestante e o...

.arquivos

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

.links

Um espaço para a História da Escola Secundária Aurélia de Sousa - Porto

.favorito

. E o homem com livros cont...

Domingo, 14 de Maio de 2006

Aristides Sousa Mendes, por Sofia Marques, 9ºB

 

«Quem salva uma vida é como se salvasse o mundo inteiro»

Aristides nasceu em Cabanas de Viriato, pequena vila do distrito de Viseu em 1885 e pertencia a uma família católica, conservadora e monárquica sendo mesmo o seu pai, membro do supremo tribunal.

Licenciou-se em direito ( como o seu irmão gémeo ) optando por uma carreira diplomática ( ao contrário do pai ) na Universidade de Coimbra.

Aristides instala-se em Lisboa em 1907 e ocupará deste modo diversas delegações consulares portuguesas pelo mundo fora: Zanzibar, Brasil, Estados Unidos da América.

Em 1929 é nomeado Cônsul-geral em Antuérpia, cargo que ocupa até 1938. O seu empenho na promoção da imagem de Portugal não passa despercebido. É muito bem condecorado por duas vezes por Leopoldo III, rei da Bélgica. Depois de quase 10 anos de serviço na Bélgica, Salazar, presidente do Conselho e ministro dos negócios estrangeiros, nomeia Sousa Mendes cônsul em Bordéus, França um lugar pouco atractivo. Em 1940, com 55 anos, ele aproxima-se do fim da sua carreira e é pai de 14 filhos.

 Começa a Segunda Guerra Mundial, e as tropas de Adolf Hitler avançam rapidamente sobre a França e Salazar manteve a neutralidade de Portugal. Salazar ordena aos cônsules portugueses espalhados pelo mundo que recusem conferir vistos sem que cada processo fosse individualmente analisado em Portugal. Em 1940, o governo francês refugiou-se temporariamente na cidade, fugindo de Paris antes da chegada das tropas alemãs. Dezenas de milhar de refugiados que fogem do avanço Nazi dirigiram-se a Bordéus. Muitos reúnem-se em frente à embaixada crentes na compaixão do Cônsul desejando obter um viso de entrada para Portugal ou para os Estados Unidos. Este não resiste e decide desobedecer a ordens de Salazar e ele, com filhos e o sobrinho escrevem à mão cerca de 30.000 vistos com todas as folhas de papel disponíveis para salvar o máximo possível de refugiados das mãos nazis. Cita-se esta frase dita por ele: "Tenho de salvar estas pessoas, quantas eu puder. Se estou desobedecendo ordens, prefiro estar com Deus e contra os homens, que com os homens contra Deus

Este seu feito viera-lhe a custar bem caro pois o resultado dessa magnífica ação foi ele ser chamado a Lisboa em desgraça, mas no caminho parou em Bayonne e escreveu mais vistos à mão, salvando assim outros mil refugiados. Quando chegou a Lisboa foi privado, Sousa Mendes, pai de uma família numerosa, do seu emprego diplomático por um ano, o seu salário é reduzido para metade antes de ser enviado para a reforma. Para além disso, Sousa Mendes perde o direito de exercer a profissão de advogado. A sua licença de condução, emitida no estrangeiro, é-lhe retirada.

O cônsul demitido e sua família sobrevivem graças à solidariedade da comunidade judaica de Lisboa, que facilitou a alguns dos seus filhos os estudos nos Estados Unidos. Dois dos seus filhos participaram no Desembarque da Normandia. Ele frequentou, juntamente com os seus familiares a cantina da assistência judaica internacional, onde fez impressão pelas suas ricas vestimentas e sua presença. Certo dia, teve de confirmar: "Nós também, nós somos refugiados".

 A sua miséria será ainda maior: venda dos bens, morte de sua esposa em 1948, emigração dos seus filhos, com uma excepção.

Aristides de Sousa Mendes faleceu muito pobre a 3 de Abril de 1954 no hospital dos franciscanos em Lisboa. Não possuindo um fato próprio, foi enterrado numa túnica de franciscanos. Morreu sem dinheiro e na desgraça. 

Homenagem póstuma

Em 1967, em Nova Iorque, o Yad Vashem, organização judaica para a recordação dos mártires e heróis do Holocausto em Israel, homenageia Aristides de Sousa Mendes com a sua mais alta distinção: uma medalha comemorativa com a inscrição do Talmud: "Quem salva uma vida humana é como se salvasse um mundo inteiro". A Censura salazarista impede que a imprensa portuguesa noticie o acontecimento.

Em Portugal, o caso "Sousa Mendes" só vem a público em 1976 com um artigo de Antônio Colaço no Diário Popular. Tema retomado em 1979 por Antônio Carvalho num outro artigo em A Capital.

Ainda em 1979 o Presidente Mário Soares concede, a título póstumo, a Ordem da Liberdade a Aristides de Sousa Mendes.

Em 1988, depois de muitas resistências do Antigamente infiltrado no Abril, a Assembleia da República e o Governo português, pressionados pelos filhos de Sousa Mendes e pelos americanos (entre estes o congressista Tony Coelho), finalmente procedem à reabilitação do Cônsul.

Hoje continuamos a precisar de "Aristídes", que lutam por um mundo melhor e mais justo para todos. Parafraseando o Talmud no monumento de Yad Vashem:

"Quem salva uma vida humana é como se salvasse um mundo inteiro".

Sofia Marques, nº25

9ºB 11.05.2006

Bibliografia:

http://www.uc.pt/iej/alunos/1998-99/asm/bografa.htm

http://www.chabad.org.br/biblioteca/artigos/Aristides/home.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Aristides_de_Sousa_Mendes

publicado por António Luís Catarino às 14:52
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De António Luís Catarino a 14 de Maio de 2006 às 15:07
Cara Sofia: já esperava um artigo teu há muito! Ainda bem que te resolveste a editar ainda por cima sobre este tema que precisa mesmo muito de ser debatido, não só nas aulas, mas em todo o lado. O teu trabalho está excelente. Não te importes se achas que está longo, porque não está e mesmo se estivesse o espaço aqui na net é virtual e ilimitado, como sabes. Voltando ao trabalho: é sintético, não caindo em vulgaridades, vai ao essencial, sem esquecer os pormenores que fazem «prender» o leitor e é útil, ou seja, é historicamente útil, porque vai de encontro ás preocupações humanas dos dias de hoje. Mais uma questão: A bibliografia utilizada é excelente. Obrigado, portanto, e continua a colaborar aqui no Esas História como colaboras nas aulas. Parabéns.

Comentar post

.favorito

. E o homem com livros cont...

.links

.subscrever feeds